Como saber se algo é resposta de Deus?

Como saber que algo que aparece como possível resposta de oração é vontade de Deus ou alguma artimanha do inimigo pra te atrapalhar e atrasar tua vida?

Quando temos algo que está bem guardado em nosso coração e não expomos para ninguém , fica mais fácil de discernir e ter testificação de que quando a resposta vem, foi uma resposta de Deus pois estava realmente no oculto e escondido. 

Outra maneira em que as coisas ficam claras é quando a vontade de Deus já está abertamente expressa em sua palavra. Por exemplo a Bíblia diz que não devemos nos prender a um julgo desigual de relacionamento com um incrédulo (2 Co 6.24) , acabamos ignorando e quebrando a cara.

 Há ainda questões que, apesar de não estarem escritas de forma clara, a Bíblia traz o princípio norteador que deve ser transportado para outras situações que não estão especificadas  

Sabemos porém que existem outras situações que são mais específicas ainda e não estão claras na escrituras e nem vão de encontro aos princípios norteadores contidos nela. Nesses casos vale a pena observarmos as seguintes situações:
1) Muitas vezes estamos tão desejosos de algo que acabamos articulando e usando o nosso jeitinho para que as coisas aconteçam como queremos. Transformamos pedras em pães, nos auto-enganamos, e usamos em vão o nome do Senhor enquanto foi nosso próprio braço que fez aquilo e não o Senhor. (Leia a história em Gn 16 – Sara e Agar) 

2) Outras vezes falamos tanto com um e com outro sobre aquilo que desejamos ou estamos orando que a situação já se tornou de domínio público na esfera terrena e espiritual. O inimigo fica atento para perceber onde estão nossas necessidades pra depois, na porta dessas necessidades, oferecer as bandejas enganosas para a satisfação. Dependendo de como nosso coração está sentindo falta, reduzimos nossa vigilância e acabamos indo com muita sede ao pote, deixando de avaliar se realmente aquilo veio do Senhor ou não.

3) A testificação interior é algo que o Senhor nos deu. 

“Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos.” Colessenses 3:15

Se algo vem dele, ele trará paz em nosso coração, antes de tomarmos aquela decisão ou de irmos naquela direção. Para isso é necessário o tempo de espera. 

Quando se trata da vida em casal, cabe dizer que muitas vezes um dos cônjuges está convencido de que algo é da vontade de Deus enquanto o outro não sente paz naquela decisão. O que pode acontecer nesse momento é que o homem use sua liderança de forma errada para induzir a esposa a fazer o que ele quer, ou a mulher usar o seu jeito especial para seduzir o coração do homem em uma determinada direção. Quando isso acontece um realmente abrirá mão de sua convicção diante de Deus para atender a vontade de seu cônjuge e isso levará ambos à ruína. Essa é a hora de parar e orar até que a paz venha ao coração de ambos.

4) Os sinais também são algo que a palavra nos autorizam a pedir. Se temos dúvida de algo podemos pedir a Deus, em oração silenciosa sinais que testifiquem de que aquela é a direção de Deus e aguardar pacientemente que Ele clareie. 

Estamos vivendo sob uma ditadura do urgente e das oportunidades porém os filhos de Deus devem saber que a vida deles não é assim. Deus fará sua vontade se cumprir em nossas vidas, ao seu tempo e de forma perfeita. Precisamos, como uma mulher grávida, exercitar a paciência e ver dia a dia e mês a mês aquele bebê sendo formado dentro de seu ventre até que a seu tempo, aquilo que é a vontade do Senhor venha à tona sem que ninguém a possa impedir. 

É muito bom viver descansado na vontade do Senhor sem alimentar ansiedades sobre nossa vida, e o que havemos de comer ou vestir ou o que for. Que possamos simplesmente nos voltar pra Ele e esperar pacientemente até que ele cumpra em nós onseu querer.  Que nosso coração aprenda a se alegrar no Senhor e na sua vontade. 

Advertisements

Jesus Suficiente – Estudo no Evangelho Segundo João

Estarei reunindo aqui os vídeos dos lives do facebook que são feitos geralmente às terças-feiras 19h horário da Bahia em um estudo bíblico sobre a Suficiência de Cristo tomando como base o Evangelho de João.

Parte 1 – INTRODUÇÃO (07/02/2017)
#JesusSuficiente
Para ir direto à mensagem adiante para 27´50″

Parte 2 – O VERBO (14/02/2017)
Seguimos em nosso Estudo #JesusSuficiente, explorando o relato do Evangelho segundo João. Na primeira semana falamos introdutoriamente sobre o Livro em si, sobre o autor e qual o foco exposto por ele a respeito da vida e obra de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Hoje começaremos de fato a leitura e estudo propriamente dito com o que se chama de Prólogo Joanino, que é a introdução do evangelho que compreende o capítulo 1 e os versos do 1 ao 34
Dividiremos am algumas partes e a de hoje será: O Verbo
Hoje Leremos e estudaremos João 1.1-4
Se quiser pular o louvor e ir direto à palavra, começa em 30’05” .

Parte 3 – JESUS A LUZ DO MUNDO (21/02/2017)
João 1:5-14 diz: “A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela. Houve um homem enviado por Deus cujo nome era João. Este veio como testemunha para que testificasse a respeito da luz, a fim de todos virem a crer por intermédio dele. Ele não era a luz, mas veio para que testificasse da luz, a saber, a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem. O Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.”
Obs: Se quiser saltar o louvor e ir direto ao estudo, vá para 27’00”.
#JesusSuficiente

Parte 4 – E O VERBO SE FEZ CARNE (28/02/2017)
João 1:11-15: “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.
João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim.”
Obs: Se quiser ir direto para a palavra adiante para 27 minutos.
#JesusSuficiente

Parte 5 – Graça + Verdade = Amor (Pt 1) (07/03/2017)
João 1:14-18 “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai. João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim. Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça.
Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou.”
Questões abordadas:
– Se o pecado geraria a morte porque Adão e Eva ficaram vivos depois de comer o fruto?
– Porque a Lei de Deus é boa e santa?
– Como um Deus que é Santo se relaciona com pecadores?
– Uma nação para ensinar o caminho pra outras nações.
– o Monte fumegante e a Lei dada por intermédio de Moisés
Para ir direto para a palavra adiante para 24’20”
#JesusSuficiente

João 1:14-18 “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai. João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim. Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça.
Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou.”
Questões abordadas:
– Verdade sem Graça = religiosidade, intolerância, legalismo, moralismo
– Graça sem verdade = conivência com o pecado, idolatria, graça barata
– Graça + Verdade = amor, cruz, evangelho, Jesus manifesto

JESUS SUFICIENTE

Evangelho de João 1:29
No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

ALELUIA!

Para ir direto para a palavra adiante até 25’30”

Parte 8 – Jesus e seus Seguidores  (04/-4/2017)
Texto Lido : João 1.35-51
Temas abordados:
– João continua apresentando Jesus como cordeiro de Deus (referência Gn.22.13)
– Os discípulos de João começaram a deixá-lo e a seguir a Jesus (ministério completo)
– Jesus foi acessível, gracioso e interessado por eles (Vinde e Vede João 1.39)
– Levar o Evangelho é levar a Boa Nova em palavra, obras e verdade. (v.40-41)
– O Senhor e quem transforma (Simao passa a ser Cefas Pedro v.42)
– Filipe e Natanael
– V. 51 as revelações de Jesus e o impacto sobre nossa vida.

O egoísmo e a família 

O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 1 Coríntios 13:4-7

Vivemos hoje em um mundo onde o hedonismo (prazer pessoal como bem supremo) e o narcisismo (amor idolátrico pela própria imagem), são estimulados em todos os níveis pra girar a máquina desse sistema maligno operante. As realizações, interesses, prazeres e desejos pessoais vêm antes das relações familiares, antes do desejo e vontade de Deus. Deus, o criador e pai que deveria se visto como o o restaurador da vida e o único capaz de nos salvar de nós mesmos, é colocado como o estraga prazeres da vida, que tudo proíbe. O casamento, maternidade, paternidade e a vida de família são vistos como impedimentos, pois exigem sacrifícios, e são como deixar de aproveitar a vida.

A vida em família é um instrumento poderoso de Deus para nós levar a vencer este egoísmo e crescer no amor. Como temos dito, ao instituir a família, Deus usou o modelo de sua própria imagem na trindade santa. Se queremos ver o exemplo magno desse amor e dessa cooperação perfeita precisamos olhar pra a trindade em toda a sagrada escritura, principalmente no que vemos refletido em Cristo Jesus pelos evangelhos que retratam sua relação com o Pai e o Espírito Santo. 

E qual é a característica do amor na Trindade? Na relação da Trindade uma Pessoa se doa totalmente à Outra. O Pai, o Filho e o Espírito Santo doam-se em plena comunhão entre si . Se olharmos a vida de Jesus poderíamos resumir em amor que doou a si mesmo. Assim Ele ama a Igreja, dando Sua vida por ela. Esse exemplo é citado por Paulo em Efésios 5:25
“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela,…” trazendo o mesmo modelo de amor ao contexto familiar. 

Sempre estamos inclinados a nos vermos como as vítimas do egoísmo em vez de culpados. Como uma esposa infeliz dizendo: “Meu marido não mostra nenhum interesse no que eu faço. Tudo que importa a ele é o que ele faz naquele lugar – seja lá onde é – que ele trabalha!” Tal atitude pode descrever-nos mais do que nós queremos admitir. Como o povo de Deus, nós não somos ignorantes a respeito dos dispositivos de Satanás (2 Coríntios 2:11), de como o pecado é enganoso, nem de seu poder cegante. Por isso, por mais remoto e improvável que possa parecer, nós devemos ver a possibilidade de egoísmo nas nossas próprias vidas! Como o filho pródigo, cada um de nós deve cair em si para superar a si mesmo (Lucas 15:17). Como Paulo disse, “Examinai-vos a vós mesmos…” (2 Coríntios 13:5), teste seus motivos com honestidade absoluta pois ninguém pode lidar com um problema que não admita que tenha.

Negar a si mesmo é uma das primeiras lições a ser aprendida pelo seguidor de Cristo (Mateus 16:24). Nada é mais fundamental para a obediência e justiça. Sem isso, nenhum homem pode verdadeiramente amar sua esposa como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25). Como o amor de Cristo sacrificou a si mesmo para a igreja, assim deve ser o amor do marido para sua esposa. É um amor que dá sem egoísmo. Sem isso, as esposas não podem ser submissas a seus maridos, assim com ao Senhor (v 22). O mesmo espírito que leva à submissão ao Senhor deve levar à submissão entre o marido e a esposa. Ser o que o Senhor quer que eu seja significa ser o que devo ser com meu cônjuge. O egoísmo, então, é um pecado contra o homem e Deus e, muitas vezes, contra os filhos.

Criar os filhos na disciplina e admoestação do Senhor (Efésios 6:4) envolve negar a si. Por exemplo, criar os filhos para o céu leva tempo e energia. O egoísmo rouba esse tempo precioso de muitos filhos e pais. A verdade é que muitos pais mesmo depois de constituir família, vivem somente para si mesmos para manter seus desfrutes ou um status material, deixando de lado a responsabilidade de revelar Cristo através de suas vidas e exemplo diário. Fora isso, estamos ocupados demais, cansados demais, para falar e responder perguntas, para ler a Bíblia, para orar com eles, para levá-los aos cultos, desligar os dispositivos eletrônicos e assentarem-se em família no nome de Jesus. 

Depois de tantas ocupações “importantes” e a sensação de ter de compensar as ausências, os pais não querem criar nenhum desgaste com os filhos no pouco tempo que resta. Assim, enchem os filhos de gratificações ocupações e entretenimento, evitam qualquer conflito para a construção de caráter e acabam moldando os filhos a viverem o mesmo tipo de vida egoísta que estão vivendo, distantes da vida plena e real em Cristo. 

Ainda pior, acho eu, são aqueles filhos que sofrem porque os pais egoístas dividem e abandonam o lar em vez de negar a si. É quase inimaginável que algumas pessoas negociariam sua boa família pelo prazer próprio; por uma garrafa, por um amante, pelos “bons momentos” muitas vezes escondidos por trás do argumento: “preciso ser feliz”. No entanto, continua a acontecer, até em alguns que alegam ser cristãos. Dessa forma, e de outras até ainda mais sutis, o egoísmo é um grande destruidor de lares. 

Que Deus possa nos ajudar a removê-lo das nossas vidas. Que possamos olhar para Jesus e sermos iluminados.

Alex Cosmo, novembro de 2016

#OficinadaFamíliaAprisco

O que foi a Reforma Protestante?


Segue um resumo do que conversamos na escola bíblica do Aprisco Sede e da Agrovila em 30/10/2016. 

Ao compreendermos a história da Igreja Protestante e da Reforma, é importante primeiramente entender que uma das alegações feitas pela Igreja Católica Romana é a da sucessão apostólica. Isto simplesmente significa que eles alegam uma autoridade única sobre todas as igrejas e denominações, fazendo um retrocesso através dos séculos na linha de sucessão dos papas da Igreja Católica, chegando até o Apóstolo Pedro. Na visão que têm os católicos, isto dá a Igreja Católica Romana a singular autoridade que suplanta todas as denominações de igrejas. De acordo com a Enciclopédia Católica, esta sucessão apostólica é somente “encontrada na Igreja Católica” e nenhuma “igreja separada tem qualquer validade de alegar para si este direito.”

É por causa desta sucessão apostólica que a Igreja Católica Romana alega ter a singular autoridade para interpretar as Escrituras e estabelecer doutrinas, assim como ter um supremo líder no papa, que é infalível (livre de erro) quando falando ex cathedra , ou seja, no exercício de sua posição como pastor e mestre de todos os cristãos. Por este motivo, de acordo como a visão católica romana, os ensinamentos e tradições da Igreja Católica Romana, por virem do papa, são igualmente infalíveis e dotadas de autoridade, assim como as próprias Escrituras. Esta é uma das maiores diferenças entre os católicos romanos e os protestantes, e foi uma das razões fundamentais para a Reforma Protestante.

Logicamente os católicos romanos não são os únicos que tentam alegar para si a singular autoridade através da sucessão apostólica, rastreando as raízes de sua igreja até os dias dos primeiros apóstolos. Por exemplo, a Igreja Ortodoxa Oriental também alega sucessão apostólica, sendo esta muito parecida com a visão católica romana. A divisão entre a Igreja Ortodoxa Oriental e o Catolicismo Romano não ocorreu até o “Grande Cisma” em 1054 d.C. (a Igreja Católica Romana ocidental e a Igreja Ortodoxa oriental se separam). Há também algumas denominações protestantes ou grupos que tentarão estabelecer um “Rastreamento de Sangue” que possa ser feito retroativamente através dos séculos até a igreja do primeiro século e aos próprios apóstolos. Apesar destes protestantes não afirmarem a sucessão apostólica para estabelecer a autoridade de um “papa” como um líder infalível, eles, mesmo assim, vêem tal ligação com a igreja primitiva, em pelo menos um pequeno grau, como estabelecendo a autoridade de suas doutrinas e práticas.

O problema com qualquer uma destas tentativas de traçar uma linha de sucessão até os apóstolos no passado, sendo a Igreja Católica Romana, a Ortodoxa Oriental ou Protestante, é que são todas uma tentativa de deduzir ou apoiar a autoridade do que eles crêem e ensinam (de fontes erradas), com alguma conexão real ou percebida com os apóstolos, ao invés de vindas diretamente da Palavra de Deus. É importante para os cristãos compreender que a sucessão apostólica direta não é necessária para que uma igreja ou denominação tenha autoridade. Deus deu e preservou a suprema autoridade para todos os assuntos de fé e prática na Sua Santa Palavra, a Bíblia. Por esta razão, a autoridade de uma determinada denominação de igreja hoje não vem através de um laço qualquer com a igreja do primeiro século ou apóstolos, mas vem somente e diretamente da escrita Palavra de Deus. Os ensinamentos de uma igreja ou denominação têm autoridade e se impõem nos cristãos somente se representam o verdadeiro significado e claro ensinamento das Escrituras. Isto é um ponto importante a chegar quando se trata de compreender a conexão entre Protestantismo e a Igreja Católica Romana, e a razão por que a Reforma Protestante ocorreu. 

Ao se compreender a história do Cristianismo e as alegações de sucessão apostólica, tão bem quanto a alegação da Igreja Católica Romana em ser a única Igreja verdadeira com singular autoridade, é importante que cheguemos a alguns pontos-chave: Primeiro, devemos compreender que mesmo nos dias dos apóstolos e na igreja do primeiro século, falsos mestres e falsos ensinamentos se constituíam em problema significante. Sabemos disto porque encontramos avisos contra heresias e falsos mestres em todos os escritos posteriores do Novo Testamento. O próprio Jesus alertou que estes falsos mestres seriam como “lobos em pele de cordeiro” (Mateus 7:15), e que haveria “joio e trigo” convivendo até o dia do julgamento, quando Ele separaria os salvos dos perdidos, os verdadeiros crentes “renascidos” daqueles que não O receberam verdadeiramente (Mateus 13:24-30). Isto é importante na compreensão da história da igreja, pois desde quase o começo falsos mestres e falsos ensinamentos invadiram a igreja, desviando as pessoas do caminho correto. Mas apesar disto, sempre houve também os verdadeiros crentes “renascidos”, que através de todas as gerações, mesmo nos períodos mais negros da idade das trevas, se agarraram firmemente às doutrinas bíblicas de salvação apenas pela graça, através somente da fé, somente em Jesus Cristo.

A segunda coisa que devemos saber para podermos compreender corretamente a história da igreja é que a palavra “católico” simplesmente significa “universal”. Isto se faz importante porque os escritos cristãos primitivos do primeiro e segundo séculos, quando o termo “católico” é usado, referem-se à “igreja universal” ou “corpo de Cristo” que é feito dos crentes “renascidos” de cada tribo, língua e nação (Apocalipse 5:9; 7:9). Entretanto, como muitas palavras através dos tempos, a palavra “católico” começou a assumir novo significado, ou veio a ser usada em um novo sentido. Através dos tempos, o conceito de uma igreja “universal” ou “católica” começou a tornar-se o conceito de que todas as igrejas eram consideradas como formando, juntas, uma igreja, não apenas espiritualmente, mas também visivelmente, estendendo-se através do mundo. Este mal entendimento da natureza da igreja visível (que sempre teve “joio e trigo” e a igreja invisível (o corpo de Cristo que é feito apenas de crentes renascidos), levaria ao conceito de uma visível Igreja Católica Santa, fora da qual não há salvação. É por causa deste mal entendimento da natureza da igreja universal que a Igreja Católica Romana se desenvolveu.

Antes da conversão de Constantino ao Cristianismo em 315 d.C., os cristãos haviam sido perseguidos pelo governo romano. Com sua conversão, o Cristianismo tornou-se uma religião permitida do Império Romano (e mais tarde tornou-se a religião oficial), e desta forma a Igreja “visível” juntou-se com o poder do governo Romano. Este casamento de Igreja e Estado levou à formação da Igreja Católica Romana, e através dos tempos fez com que a Igreja Católica Romana refinasse sua doutrina e desenvolvesse sua estrutura da forma que melhor servisse aos propósitos do governo romano. Durante este tempo, opor-se à Igreja Católica Romana era o mesmo que se opor ao governo romano, o que acarretava severas penas. Por este motivo, se alguém discordasse com alguma doutrina da Igreja Católica Romana, seria uma séria ofensa que freqüentemente levaria à excomunhão, e às vezes até a morte.

Apesar de tudo, neste momento da história havia verdadeiros cristãos “renascidos” que se levantariam e se oporiam à secularização da Igreja Católica Romana e à distorção da fé que seguiam. Através desta combinação entre Igreja e Estado, através dos tempos, a Igreja Católica Romana efetivamente silenciou aqueles que se opuseram a qualquer uma de suas doutrinas e práticas, e verdadeiramente quase se tornou uma igreja universal através do Império Romano. Havia sempre “bolsões” de resistência a algumas das práticas e ensinamentos não-bíblicos da Igreja Católica Romana, apesar de serem relativamente pequenos e isolados. Antes da Reforma Protestante, no século XVI, homens como John Wycliffe, na Inglaterra, John Huss, na então Tchecoslováquia e John of Wessel na Alemanha, todos já haviam dado suas vidas por sua oposição a alguns dos ensinamentos não-bíblicos da Igreja Católica Romana.

A oposição à Igreja Católica Romana e a seus falsos ensinamentos piorou no século XVI, quando um monge católico Romano chamado Martin Luther (Martinho Lutero) pregou suas 95 Teses contra os ensinamentos da Igreja Católica Romana na porta da igreja do castelo de Wittenbert, Alemanha. A intenção de Martinho Lutero era reformar a Igreja Católica Romana, e fazendo assim estava desafiando a autoridade do papa. Com a recusa da Igreja Católica Romana em dar ouvidos à chamada de Lutero para a reforma e retorno às doutrinas e práticas bíblicas, iniciou-se a Reforma Protestante, da qual quatro divisões ou tradições principais de Protestantismo surgiriam: Luteranismo, Reformados, Anabatistas e Anglicanos. Durante este tempo Deus levantou homens piedosos em diferentes países para, uma vez mais restaurar igrejas por todo o mundo a suas origens bíblicas e a suas doutrinas e práticas bíblicas.

Junto à Reforma Protestante se assentam quatro perguntas ou doutrinas básicas, que segundo criam estes reformadores, constituíam erro por parte da Igreja Católica Romana. Estas quatro questões ou doutrinas são: Como uma pessoa é salva? Onde reside a autoridade religiosa? O que é a igreja? Qual a essência do viver cristão? Respondendo a estas perguntas, os reformadores protestantes, como Martinho Lutero, Ulrich Zwingli, John Calvin (João Calvino) e John Knox estabeleceram o que seria conhecido como as “Cinco Solas” (sola é a palavra latina para única) da Reforma. Estes cinco pontos da doutrina formam o coração da Reforma Protestante, e era por estas cinco doutrinas bíblicas essenciais que os reformadores protestantes afirmariam sua opinião contra a Igreja Católica Romana, resistindo às exigências a eles feitas para que voltassem atrás em seus ensinamentos, mesmo até ao ponto de morrer. Estas cinco doutrinas essenciais da Reforma Protestante são:

1- Sola Scriptura, somente a Escritura: afirma a doutrina bíblica de que somente a Bíblia é a única autoridade para todos os assuntos de fé e prática. As Escrituras e somente as Escrituras são o padrão pelo qual todos os ensinamentos e doutrinas da igreja devem ser medidos. Como Martinho Lutero tão eloqüentemente afirmou quando a ele foi pedido para que voltasse atrás em seus ensinamentos: “Portanto, a menos que eu seja convencido pelo testemunho das Escrituras ou pelo mais claro raciocínio; a menos que eu seja persuadido por meio das passagens que citei; a menos que assim submetam minha consciência pela Palavra de Deus, não posso retratar-me e não me retratarei, pois é perigoso a um cristão falar contra a consciência. Aqui permaneço, não posso fazer outra coisa; Deus queira ajudar-me. Amém.”

2- Sola Gratia, somente a graça (salvação somente pela graça): afirma a doutrina bíblica de que a salvação é pela graça de Deus apenas, e que nós somos resgatados de Sua ira apenas por Sua graça. A graça de Deus em Cristo não é meramente necessária, mas é a única causa eficiente da salvação. Esta graça é a obra sobrenatural do Espírito Santo que nos traz a Cristo por nos soltar da servidão do pecado e nos levantar da morte espiritual para a vida espiritual.

3- Sola Fide, somente a fé (salvação somente pela fé): afirma a doutrina bíblica de que a justificação é pela graça somente, através da fé somente, por causa somente de Cristo. É pela fé em Cristo que Sua justiça é imputada a nós como a única satisfação possível da perfeita justiça de Deus.

4- Solus Christus – somente Cristo: afirma a doutrina bíblica de que a salvação é encontrada somente em Cristo e que unicamente Sua vida sem pecado e expiação substitutiva são suficientes para nossa justificação e reconciliação com Deus o Pai. O evangelho não foi pregado se a obra substitutiva de Cristo não é declarada, e a fé em Cristo e Sua obra não é proposta. 

5- Soli Deo Gloria, glória somente a Deus: afirma a doutrina bíblica de que a salvação é de Deus, e foi alcançada por Deus apenas para Sua glória. Isto demonstra que como cristãos devemos glorificar sempre a Ele, e devemos viver toda a nossa vida perante a face de Deus, sob a autoridade de Deus, e somente para sua glória.

Estas cinco importantes e fundamentais doutrinas são a razão da Reforma Protestante. Estão no coração do erro doutrinário da Igreja Católica Romana, e por que a Reforma Protestante se fazia necessária para fazer com que as igrejas através do mundo voltassem às doutrinas e ensinamentos bíblicos corretos. São tão importantes hoje em avaliar a igreja e seus ensinos quanto eram no passado. De muitas formas, grande parte da cristandade protestante precisa ser desafiada a retornar a essas doutrinas fundamentais de fé, da mesma forma que os reformadores desafiaram a Igreja Católica Romana no século XVI.

Fonte: GotQuestions

Imperfeitos não acomodados

Somos imperfeitos mas não devemos admirar ou nos acomodar a essa imperfeição. Jesus é a nossa perfeição e alvo da nossa vocação. É nEle que somos dia-a-dia moldados e aperfeiçoados. 

Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante? De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos? Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Romanos 6:1-3

Sobre os hábitos e o caráter, creio que não devemos descambar: seja para a ilusão e vaidades de nossos melhores dias, seja na apatia e irresponsabilidade da conformação com esse mundo, nem tampouco para o desespero e depressão dos piores dias pois, somos perdoados dos nossos pecados. Em qualquer um desses extremos perdemos centralidade de Cristo e da confiança em Deus. 

É exatamente essa tensão criada por nossa imperfeição diante da perfeição de Cristo e a graça liberada por ele, que nos leva a uma contínua vida de dependência do Senhor, livres da concupiscência e dos desatinos de nossa alma.
Alex Cosmo

do Facebook em 23 de Setembro de 2013

TENTAÇÕES DA MISSÃO INTEGRAL E DO SE OPOR A ELA

Por Antônio Carlos Costa

A pregação do evangelho acompanhada de ensino sólido, que mostre as implicações político-sociais do cristianismo, pode liberar energia capaz de levar cristãos verdadeiros a lutarem tanto contra totalitarismo de direita, quanto contra totalitarismo de esquerda. E isso a partir da mais alta motivação possível: a glória de Deus. 

1. Ignorar o chamado à evangelização do mundo. 

Obsessão com a injustiça social em detrimento da preocupação com a injustiça pessoal. A primeira, inviabiliza a relação do homem com o seu semelhante. A segunda, inviabiliza a relação do homem com o seu Criador. 

2. Perder de vista o fato de que o pobre é pecador.

A pobreza não é virtude. Não torna o ser humano imune ao pecado. Responsabilidade diminuída não é o mesmo que responsabilidade eliminada.

3. Relativizar o aspecto privado da ética cristã.
Vivi muito essa tentação. Você chega de uma favela na qual dez foram executados. Descobre na cidade esquema de corrupção que sangra os cofres públicos e impede verba pública de chegar às áreas carentes. Percebe o lado hediondo do sistema econômico. Toma conhecimento das relações de poder. A vontade é de circunscrever o pecado a apenas esse tipo de maldade monumental. 

4. Tornar-se marxista.

O marxismo é uma religião secular profundamente atraente para o militante da missão integral. Por falar muito em injustiça social, pode levar o cristão sincero a não perceber que o que prescreve como solução aos males do capitalismo não é tão bom quanto à crítica que faz às injustiças do capitalismo. Nunca devemos nos esquecer do fato que o marxismo vê Cristo, moral cristã, céu, Bíblia, igreja, culto, como frutos de relações econômicas sem nenhum fundamento na realidade dos fatos. Jogo de poder puro. Os detentores do poder usando a religião para justificar a opressão do trabalhador. Marx se enganou. Weber o corrigiu. A pregação do evangelho acompanhada de ensino sólido, que mostre as implicações político-sociais do cristianismo, pode liberar energia capaz de levar cristãos verdadeiros a lutarem tanto contra totalitarismo de direita, quanto contra totalitarismo de esquerda. E isso a partir da mais alta motivação possível: a glória de Deus.   

5. Pregar de modo soberbo e amargo.

Viver a insultar quem pensa de modo diferente, julgar que quem não vê a vida em termos de luta de classe trabalha para o sistema de exploração do pobre, desmerecer o trabalho de crentes fiéis que ainda não entenderam os pressupostos teológicos da missão integral. Cuspirem no próprio prato, pois muitos foram levados a Cristo por pregadores que nada sabiam sobre missão integral.

6. Pastorear igreja que não cresce e não se perturbar com isso.

Chegar à conclusão que a igreja não aumenta em número porque sua mensagem representa verdadeiro golpe nas ambições da burguesia, quando na verdade a igreja deixou de batizar pessoas pelo fato de o pregador não anunciar mais o evangelho, deixando de conclamar a igreja a levar as boas novas aos que não sabem para aonde vão depois da morte.

7. Usar o púlpito para falar desmedidamente sobre política.

Tornar-se monotemático. Mandar no culto de domingo mensagem para a classe governante. Falar sobre o que pouco conhece. Deixar de pregar expositivamente. Permitir que a pregação seja mais pautada pelo jornal do que pela Bíblia.

8. Acreditar que pelo fato de pregar sobre o pobre, está servindo ao pobre.

Dar voz a quem não conhece. Falar sobre pobreza sem estar na favela. Pregar mensagem que nem o pobre entende. Deixar o pobre só, nas ocasiões em que ficar do lado dele representa risco de vida.

9. Envolver-se com política partidária.
Essa é uma coisa que o membro da igreja pode fazer. Mas, como fica a vida de um pregador que usa da sua influência para levar pessoas a aderirem ao seu partido político numa igreja na qual pessoas das mais diferentes linhas ideológicas congregam? Como evitar que seu compromisso com a justiça não seja contaminado pela sua preferência partidária?

10. Ser mais versado em ciência política do que em teologia sistemática

A igreja espera ter como pastor um pregador bom de Bíblia. Capaz de fazer leitura sobre as demais disciplinas do pensamento a partir do enquadramento intelectual da boa teologia sistemática, que tem a teologia bíblica como fundamento. Se a sua paixão é ciência política e não a exposição das Escrituras, largue o púlpito, pois nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.


TENTAÇÕES DO SE OPOR A MISSÃO INTEGRAL

1. Ignorar o chamado à justiça social.

Obsessão com o estado de injustiça do ser humano em detrimento da preocupação com o estado de injustiça da sociedade. Procurar encher o céu que Deus criou para o homem, mas ignorar o inferno que o homem criou para si mesmo. Falar em edificar o reino de Cristo, enquanto os membros da igreja vivem em cidades tornadas em reino do Diabo. Preferir contratar segurança particular para impedir que carros sejam roubados durante o culto a pressionar o poder público a fim de que implemente políticas públicas que diminuirão a criminalidade. 

2. Perder de vista o fato de que o pobre deve ser objeto principal da misericórdia da igreja.

Evangelização que não leva o convertido a se compadecer dos seres humanos que mais sofrem e que no seu sofrimento nada podem fazer para se livrarem dos seus infortúnios, significará, sempre, transformar a igreja em escola de boas maneiras, congregação de andróides, lugar que o jovem rico procurará após ter sido despedido por Cristo. 

É miopia histórica profunda e grave falta de conhecimento das Escrituras não compreender que a pobreza é, na maioria das vezes, fruto da injustiça social. Igreja que não se compadece do necessitado está servindo a Satanás travestido de Cristo.
3. Relativizar a dimensão pública da ética cristã.

Não compreender que tolerar o regime da escravidão é tão hediondo quanto maltratar o escravo. Dar-se por satisfeito por dar o dízimo, não ter amante, levar Júnior ao judô, ser abstêmio; mas, apoiar o Nazismo, ser a favor do Aparthaid, tolerar a supressão dos direitos civis dos negros, ficar mudo quando o Estado permite que seus policiais morram em missões inúteis e não gritar “não matarás!” em ocasiões nas quais a polícia pratica a rodo execuções extrajudiciais. Por que a turma da “lei e ordem” não protestou quando policiais paulistas mataram 19 moradores de periferia, no ano passado, em Osasco? 

4. Ser refratário às críticas que a esquerda faz ao nosso modelo de sociedade.

Fugir de Marx para ser abraçado por Hayek. Denunciar quem apoia Hugo Chaves, mas ficar mudo quando James Dobson e Wayne Grudem apoiam Donald Trump. 

Esquecer-se do fato que Karl Marx começa a criticar o modelo capitalista, num contexto no qual mulheres e crianças trabalhavam 17 horas por dia nas fábricas da Inglaterra protestante. 

Não definir quanto do marxismo uma pessoa precisa crer para ser considerada marxista. Fugir do modelo bolivariano para abraçar o modelo neoliberal. 

Como negar que jamais uma nação foi edificada sem a exploração da mão de obra do trabalhador? Como pastores podem aceitar acriticamente modelo político-econômico que destrói a família, faz pessoas envelhecerem antes do tempo, saqueia a alma? Relação trabalhista análoga a que encontramos nos dias de Moisés: “Eles estão falando sobre libertação porque têm tempo para pensar. Aumentem o trabalho deles! Exijam que produzam mais! Que eles não respirem!” Mente extenuada é também oficina do Diabo.

Como negar o fato de que pastores, teólogos, jornalistas, escritores, podem estar trabalhando para os detentores do poder econômico, justificando a exploração? Exercendo tamanha influencia sobre a cultura a ponto de tornar os prisioneiros preocupados em manter intactas as paredes do cárcere a fim de não escaparem da prisão. A igreja pode transformar sua mensagem em narcótico do povo. 

Tenho pena do pregador que é a favor da manutenção do sistema de exploração por depender das ofertas de quem ameaça sair da igreja caso ele condene do púlpito o regime de escravidão velada, comandado pelo rico. Não há a mínima dúvida de que denominações inteiras e mantenedores do estrangeiro podem exercer a mesma pressão sobre blogueiros, professores de seminário, escritores, palestrantes, pastores. Que covardia. 

5. Pregar com soberba e amargura.

Viver a insultar quem pensa de modo diferente, julgar que quem não vê a vida em termos de – economia de mercado irrestrita, não regulada, não democrática, não preocupada com o meio ambiente, não desejosa de tirar o destino do país das mãos de governantes eleitos pelo povo para o colocar nas mãos dos donos das grandes corporações cujo objetivo é o lucro-, é ingênuo e colabora para o colapso da economia. Como se aumento da renda fosse tudo e chegar ao posto de sétima economia do mundo garantisse por si só a promoção da igualdade de oportunidade de vida para todos. 

Combatem o Estado de bem-estar social, como se fosse possível o oceano de garotos pobres das favelas erguerem-se por conta própria sem a ajuda do poder público. Aí dirão: “Essa é a tarefa da sociedade, não do Estado!” Qual igreja dá conta do sertão do nordeste e das favelas do Rio e São Paulo? Quantas estão interessadas nesse tipo de coisa? A maioria? 

Tornar o ambiente da igreja impossível para quem tem uma mentalidade mais europeia do que americana. Fechar as portas para jovens que têm formação em sociologia, antropologia, ciência política; muitos dos quais incapazes de se imaginarem vivendo em igrejas tão ingenuamente cooptadas por um conservadorismo de direita, que nenhuma ginástica exegética consegue encontrar na Bíblia.

Cuspirem no próprio prato, pois os benefícios civis, políticos e sociais de que gozam são frutos de lutas travadas por homens e mulheres que impediram que esse mundo se tornasse tão mau quanto poderia ser. 

6. Pastorear igreja que não cresce ou cresce de modo adoecido e não se perturbar com isso.

Chegar à conclusão que a igreja não aumenta em número porque seu evangelho é puro, ignorando o fato de que a igreja deixou de batizar pessoas em razão de o pregador anunciar mais lei do que graça, pensar que pregar a Bíblia é o mesmo que pregar o evangelho e não perceber que a igreja está mais versada na controvérsia supralapsariana do que no caminho que leva ao céu. 
Anos de exposição bíblica -sem anunciar ao mesmo tempo o Cristo que nos protege da lei- é capaz de levar jovens a ficarem de cabelo branco, filhos de crentes sumirem da igreja e a membresia agasalhar um rancor secreto em relação a um Deus que não dá descanso à alma humana.

7. Jamais falar sobre política no culto.
Levar a igreja a acreditar que o interesse por política é e sempre será necessariamente mundano. Ignorar a responsabilidade -diante de Deus- de vivenciar o cristianismo numa democracia. Desperdiçar os recursos humanos e a liberdade política, deixando de exercer pressão pacífica e democrática nas ocasiões nas quais o poder público não se mantém sujeito à autoridade constituída por Deus num regime democrático, o povo, cuja vontade é expressa através das leis do país.
Em suma, é pregar sem ter a Bíblia numa das mãos e o jornal na outra. É o país estar ameaçado por grave conflito civil, o tecido social se corroendo, a democracia entrando em colapso, membros da igreja sofrendo pressões infernais no ambiente de trabalho, cristãos sem saberem se participam de uma greve geral; e o pregador não parar a série de mensagens sobre o pedobatismo.

8. Não ver pobre na Bíblia.

Ignorar que não foi Karl Marx, mas Calvino quem disse:

“Cresce a audácia aos ricos, porque aqueles a quem sobrepujam são destituídos de todo recurso. Contudo… quando do lado dos homens nenhuma defesa tenha o pobre, a vingança de Deus mais pronta e aparelhada lhe está”. 

“Eis como fazem os ricos frequentemente, espreitam as ocasiões, a fim de reduzir à metade o ganho da pobre gente, quando não tem em que empregar-se”.

“Quando, pois, tem um homem alguns a seu serviço, deve ele considerar: se eu tivesse no lugar deles, como gostaria de ser tratado?”

“Ora, pois que assim é, quando os pobres que tenhais empregado em obra vossa, e que tenham posto seu labor, seu suor e seu sangue a vosso serviço, não tenham sido assalariados como convém, e não os tenhais confortado e sustentado, se a Deus vingança pedem contra vós, quem vos será procurador, ou advogado, que vos possa livrar?”.

“Ofício próprio de Deus é tomar a causa dos pobres”.

“Nosso Deus… se constitui devedor em lugar do pobre para retribuir-nos de uma vez com amplos juros tudo quanto lhe damos”.

 Ter como referência pregadores europeus e americanos do passado, e não o próprio Cristo, que é visto nas ruas curando, libertando e anunciando o evangelho aos pobres.

9. Ser apartidário.

Trocar a ação suprapartidária pela criminalização da política. Esquecer-se que quem não gosta de política é governado por quem gosta. Ser seletivo nas denúncias que faz contra os partidos políticos. Não estimular com fervor os jovens da igreja a se candidatarem, da mesma forma que o faz quando cobra que se envolvam com a manutenção do funcionamento da máquina eclesiástica.

10. Ser bom em teologia sistemática, mas não ser profeta.

Conhecer o sistema teológico. Ter memória enciclopédica. Mas, mostrar-se incapaz de relacionar a doutrina às realidades concretas da vida das pessoas. Levar ao inferno os jovens da igreja por causa de sexo, mas não dizer ao rico que se ele continuar tão rico quanto era antes de se tornar membro da igreja, estará dando evidência de que jamais nasceu de novo. 

Para ser sincero, vejo esses males, aos quais todo e qualquer membro de igreja evangélica no país está exposto, mais presentes e disseminados no protestantismo brasileiro do que os que mencionei no último artigo, no qual falei sobre as tentações da missão integral. 

Em suma, você e eu temos muito do que nos arrepender. A igreja precisa de reforma e avivamento. Retorno às Escrituras e à verdadeira vida cristã, que somente dedica lealdade incondicional a Cristo.
Por Antônio Carlos Costa

Como medita o cristão?

Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Salmos 1:1-2

Esse artigo é um recorte de alguns outros que achei interessante sobre esse tema. Fiz somente a compilação, os autores estão cotados ao fim de cada trecho. 

A palavra “meditação” é a uma palavra muito legal nesses dias. Todo mundo gosta de meditação. Muitos web sites sobre produtividade dizem que quando você se sente exausto é realmente útil tirar uma “pausa para meditação”. Recentemente no Programa da Oprah Winfrey (é, pois é, eu estava assistindo a Oprah) um cara chamado Dr. Oz (nenhuma relação com o mágico) disse que a meditação pode prolongar significantemente a sua via. Meditação não é apenas para os monges tibetanos vestidos de mantos de pano de saco que irritam suas axilas. Não, todo mundo ama meditação.
A verdade é: a Bíblia também fala muito de meditação. Salmo 1.2 diz que o homem que teme ao Senhor “tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite”. O que me leva à pergunta: o que exatamente é meditação? De acordo com a nossa cultura, meditação é o relaxamento da mente ao ponto em que pouco ou nenhum pensamento ocorre. No entanto, de acordo com a Escritura, meditação é o crescente foco da mente com a ocorrência de pensamento muito profundo. O objetivo da meditação secular é esvaziar a mente, o objetivo da meditação divina é encher a mente com a verdade de Deus. Colocando numa definição sucinta, a meditação divina é a prática de encher a mente com a palavra de Deus com o propósito de aplicar a Palavra de Deus.
Então como meditamos na Palavra de Deus? Como isso se dá na prática? Aqui estão algumas sugestões.

Medite em oração
Quando lemos a Bíblia, não estamos apenas lendo um livro – estamos lendo a sagrada Palavra de Deus. A Bíblia é a própria Palavras de Deus, dada a nós para que possamos conhecê-lo, amá-lo e obedecê-lo, o que significa que nós não podemos simplesmente entender a Bíblia sem o poder esclarecedor do Espírito de Deus. Nós precisamos abrir nossos olhos para entender e aplicar as gloriosas verdades que lemos nas Escrituras. Sem o Espírito de Deus, nossos momentos devocionais serão secos, indiferentes e infrutíferos. Antes de ler a Palavra de Deus, ore para que Deus te dê entendimento.
Medite Silenciosamente
É difícil pensar profundamente e com concentração numa passagem das Escrituras se você está cercado de distrações. Eu compreendo que esse não é o caso para todo mundo, mas, para a maioria de nós, a meditação efetiva na Palavra de Deus ocorre em lugares quietos. Se você está tentando ter seu momento devocional no meio da Starbucks, você está menosprezando a si mesmo. Eu descobri que os meus momentos de meditação bíblica mais eficientes vêm no silêncio do início da manhã, antes que meu dia comece. Salmo 131.2 diz: “Certamente que me tenho portado e sossegado como uma criança desmamada de sua mãe; a minha alma está como uma criança desmamada”. A meditação eficiente geralmente ocorre na quietude.

Medite em voz alta
Só porque você está em um lugar quieto não significa que você precisa ficar quieto. Deus fala conosco quando lemos a Escritura e é frequentemente apropriado responder em voz alta aos sussurros de Deus. Veja, por exemplo, 1 Tessalonicenses 5. 16-18 que diz “Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”. Quando leio esse versículo, quero responder em voz alta com regozijo, oração e ação de graças. A escritura não é um livro de textos secos, ela é a Palavra viva de Deus. Nós devemos interagir com as Escrituras, respondendo às suas ordenanças, regozijando em suas promessas e nos alegrando em suas revelações.

Stephen Altrogge 30/01/2013


Somos filhos da modernidade. Aprendemos a pensar, analisar, dissecar e, acima de tudo, questionar tudo. A filosofia propôs: “Penso, logo existo”, e nós acreditamos.

Acreditamos que a verdade só pode estar naquilo que a razão abarca.

Mas, em tempos passados havia outras possibilidades de perceber realidades. Podemos conhecer realidades através de outros sentidos. A percepção humana não se restringe ao racional. Através da Meditação exercita-se o espírito para que se apreendam verdades que, embora não contradigam o racional, não dependam dele.

O que é Meditação Bíblica.

Meditação é uma prática devocional de “ficar” com um texto das Escrituras até que ele seja absorvido por todo o ser; é uma disciplina pela qual o coração intui dimensões mentalmente imperceptíveis da revelação de Deus.

Através da meditação bíblica, o Espírito Santo descortina mistérios eternos. 

Pode-se dizer que meditação é o processo digestivo que alimenta a alma do pão do céu.

Jeremias 15.16: Quando as tuas palavras foram encontradas, eu as comi; elas são a minha alegria e o meu júbilo, pois pertenço a ti,Senhor Deus dos Exércitos.

Aliás, essa metáfora de “comer a palavra” está amplamente relatada na Bíblia hebraica:

Ezequiel 3. 1-3: E ele me disse: “Filho do homem, coma este rolo; depois vá falar à nação de Israel”. Eu abri a boca, e ele me deu o rolo para eu comer. E acrescentou: “Filho do homem, coma este rolo que estou lhe dando e encha o seu estômago com ele”. Então eu o comi, e em minha boca era doce como mel.

Através da meditação bíblica é possível ultrapassar a análise cartesiana do texto para que ele alimente a alma.

João 6. 63 O Espírito dá vida; a carne não produz nada que se aproveite. As palavras que eu lhes disse são espírito e vida.

Quanto maior a disciplina de ponderar nas Palavras de Deus, maior a capacidade de receber o que ele tem para dizer. Suas palavras são espírito e vida. Obviamente, precisamos exercitar o espírito para se alcançar o significado espiritual das palavras.

Deus ajuda quando admito que minha capacidade humana é insuficiente para cumprir sua vontade e optar por caminhos excelentes, .

 Meditação Bíblica é uma disciplina que ajuda o coração a preparar-se para ouvir o inaudível, perceber o imperceptível e alcançar o imarcescível.

1Coríntios 2.9-12: “Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam”, mas Deus o revelou a nós por meio do Espírito.O Espírito sonda todas as coisas, até mesmo as coisas mais profundas de Deus. Pois, quem conhece os pensamentos do homem, a não ser o espírito do homem que nele está? Da mesma forma, ninguém conhece os pensamentos de Deus, a não ser o Espírito de Deus. Nós, porém, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito procedente de Deus, para que entendamos as coisas que Deus nos tem dado gratuitamente”.

A meditação bíblica é uma admissão que Deus é maior do qualquer especulação.

Ora, se Deus fosse explicável pela mente humana, ele seria menor do que os próprios homens. Ele transcende qualquer abordagem e através da meditação bíblica eu abro mão de toda tentativa de explaná-lo.

Paulo, depois de haver escrito um tratado teológico denso e complicado que foi sua carta aos Romanos, parou e simplesmente dobrou-se diante da grandeza de Deus:

Romanos 11.33-36: “Ó profundidade da riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos e inescrutáveis os seus caminhos! Quem conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? Quem primeiro lhe deu, para que ele o recompense? Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas. A ele seja a glória para sempre! Amém”.

A meditação bíblica é uma disciplina que ajuda a se perceber as “entrelinhas” do texto.

Quando lemos um texto, não percebemos tudo o que está escrito nele. Por esse motivo, uma carta que chega de alguém que muito amamos é lida e relida várias vezes. Por que um namorado lê tanto uma mesma carta? Porque deseja entender o espírito, o semblante e as emoções com que sua amada escreveu.

Salmos 119.97: “Como eu amo a tua lei! Medito nela o dia inteiro”.

Salmos 19.7-14: “A lei do Senhor é perfeita, e revigora a alma. Os testemunhos do Senhor são dignos de confiança, e tornam sábios os inexperientes. Os preceitos do Senhor são justos, e dão alegria ao coração. Os mandamentos do Senhor são límpidos, e trazem luz aos olhos. O temor do Senhor é puro, e dura para sempre. As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas. São mais desejáveis do que o ouro, do que muito ouro puro; são mais doces do que o mel,do que as gotas do favo. Por elas o teu servo é advertido; há grande recompensa em obedecer-lhes. Quem pode discernir os próprios erros? Absolve-me dos que desconheço! Também guarda o teu servo dos pecados intencionais; que eles não me dominem! Então serei íntegro, inocente de grande transgressão. Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração”.

Soli Deo Gloria

5/07/20114 – Ricardo Gondim

Dicas Práticas 

Uma leitura da Bíblia não se deve fazer corrido, ou de qualquer maneira, veja algumas dicas:

1. Separe um tempo próprio

2. Encontre um lugar onde possa estar a sós (Ao menos que outras pessoas junto leiam, mas para se meditar, a leitura é mais proveitosa a sós, depois podendo se reunir e lerem junto novamente)

3. Para quebrar um pouco o cansaço mental, cante um louvor (coloque algo e cante junto)

4. Peça a Deus que sonde seu coração

5. Ore, peça a Deus que lhe dê entendimento da palavra

Veja alguns métodos de se estudar e uma leitura proveitosa da Bíblia:

● Ler detalhadamente e cuidadosamente (6 vezes mais ou menos) o texto, ou versículo e estar atento a pontuação.

Faça perguntas ao texto ou versículo:

• O que o texto ensina a respeito de Deus, ou de Jesus, ou do Espírito Santo?

Lembrando que isso facilita, pois o que o texto tem a passar, se fala sobre o Deus Pai Criador, O Filho Salvador, ou O Espírito O Consolador que habita em nós.

• Existe no texto algum pecado revelado, que eu deva revelar, confessar ou evitar? (Estou pecando, ou sendo tentado se o texto cita algum pecado?)

• Existe alguma promessa que eu deva reivindicar? (Existe algo que Deus prometa para aqueles que o servem?)

• Existe algum mandamento que eu deva obedecer? (É algo que eu preciso obedecer?)

• Existe algum exemplo que eu deva seguir? (é uma situação semelhante com a minha, ou o exemplo da pessoa no texto)

• Existe algo que foge do meu entendimento que eu deva estudar mais tarde? (algo que não entendi agora, mas estudarei com mais calma esse assunto, ou perguntarei alguém que sabe me explicar)

• Existe neste texto alguma coisa pela qual eu deva orar? (é algo que está acontecendo, ou acontece até hoje, para que eu ore nesse sentido?)

• Como posso aplicar em minha vida? (O que aprendo com esse texto, para aplicar em minha vida)

• O que devo fazer para atingir estes objetivos? (o que impende de eu aplicar em minha vida, ou até mesmo será a falta de disciplinar meu tempo, para estudar a Bíblia mais vezes?)

Depois disso, agradeça a Deus por aquilo, que Ele lhe mostrou em sua palavra.
Assuma um compromisso com o que aprendeu, ou seja, colocar em prática.

Peça ao Espírito Santo que o capacite.

Se quisermos que Deus fale conosco é através de Sua palavra, se queremos crescer espiritualmente é meditar em Sua palavra. Que o Senhor possa capacitar a cada um, e se dedique em aprender e refletir pelo menos uns 15 minutos por dia. Pois a Bíblia muito mais que ler é crescer em fé e fortalecimento, pois com a leitura nossa fé aumenta, pois começamos ver o mover de Deus, o que Ele tem feito. Que o Espírito Santo possa mover em seus corações.

Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus. (Mateus 22:29

Oton G. Cesar 

Ciência Moderna X Bíblia

Uma bela coletânea de fatos científicos comparando com citações bíblicas de até 3.500 anos!

Antes do desenvolvimento da ciência espacial, a Bíblia era considerada como um conjunto de mitos ou lendas. No entanto, hoje a ciência mostra que a Bíblia é uma compilação de fatos comprovados, e ela corrobora o que está escrito nas Escrituras Sagradas.

Muitas coisas em que acreditamos serem cientificamente exatas, não o são. Na realidade, a História mostra-nos que mesmo aquilo que a ciência define como uma verdade hoje, pode ser ridicularizado daqui a cem anos.

Então, do que podemos ter certeza? Existe algo que seja “absoluto” ou uma verdade absoluta? A Bíblia está repleta de fatos científicos e médicos que foram escritos milhares de anos antes de o homem descobri-los. “Mas a Bíblia foi escrita milhares de anos atrás. E nós estamos no século 21!?!”. Exatamente, a Bíblia foi escrita há milhares de anos por homens com um conhecimento muito mais limitado que o nosso. E como é que com os seus limitados conhecimentos, poderiam eles ter sabido de certas coisas?

A maioria das pessoas não está ciente de que a Bíblia foi escrita ao longo de um período de 1.600 anos, por mais de 40 autores, em três continentes e em três línguas diferentes. Eles mencionaram centenas de assuntos controversos, e, mesmo assim, estavam todos em perfeita concordância. Na verdade, quanto mais aprendemos, mais descobrimos que a Bíblia é CIENTIFICAMENTE EXATA!

CAMPO GRAVITACIONAL

Há cerca de 3.500 anos, o conceito do universo na Idade do Bronze estava distante da verdade. Naquela época, as pessoas não podiam sequer imaginar que a Terra estava suspensa no espaço. Surpreendentemente, o conhecimento da astronomia moderna foi registado no Livro de Jó, escrito na Idade do Bronze. Até 1687, quando Isaac Newton descobriu “a lei da gravitação universal” e provou que a Terra flutua no universo, as pessoas não acreditavam nas palavras da Bíblia … faz pairar a terra sobre o nada Jó 26.7. A Bíblia descreve a Terra como se fosse tirada uma fotografia de um satélite. Mas, ao passo que a ciência desenvolveu, ficou provado que os registros da Bíblia são verdadeiros. A ciência não descobriu que a Terra não era sustentada por nada até 1650. Note que a datação por radiocarbono prova que o Livro de Jó foi escrito há 3.500 anos, na Idade do Bronze.

REPRODUÇÃO DAS ESPÉCIES

A Bíblia diz que Deus criou tudo de acordo com a sua própria espécie (Gênesis 1). Bem, isso é também o que a ciência nos mostra. Não podemos encontrar fósseis que mostrem uma transição de espécie para espécie porque não há nenhum. A ciência mostra adaptações dentro das espécies (microevolução), mas não uma transição evolucionária, transição de uma espécie a outra (macroevolução). Nisso ela concorda com a Bíblia.

REPRODUÇÃO HUMANA

Muitas pessoas acham um absurdo que toda a raça humana possa ter vindo de apenas duas pessoas (Adão e Eva). No entanto, a ciência baseia-se no que podemos observar, testar. A reprodução humana é observável, testável. Um homem e uma mulher podem produzir uma terceira pessoa, e assim por diante, por um período de tempo, até que se chegue a uma população maior; a ciência corrobora com isso. Nenhum outro tipo de geração de população humana foi observado e testado pela ciência.

OS GERMES

As pessoas não entendiam a natureza biológica dos germes relativamente até os últimos séculos. Mesmo assim, nas leis da limpeza e de comida no Velho Testamento, tem-se um conhecimento da presença de germes. Mas, essas instruções de Deus foram dadas milhares de anos antes que o homem sequer entendesse como os germes eram transmitidos, ou mesmo o que eram.

MOVIMENTO DO SOL

A Bíblia também registou o movimento de translação do sol, há 3.000 anos.

O qual (o sol), como noivo sai dos seus aposentos, se regozija como herói, a percorrer o seu caminho Principia numa extremidade dos céus, e até á outra vai o seu percurso… Salmos 19.5

No entanto, foi apenas no século 20 que a humanidade descobriu que o sol gira em torno do centro da galáxia. “O sol gira a uma velocidade de 250 km/s” – Astrónomo Bertill Lindblad, devido ao desenvolvimento da ciência, ficou provado que a Bíblia é verdadeira.

NÚCLEO DA TERRA

Há 3.500 anos, a Bíblia descreveu corretamente o interior da Terra: Da terra procede o pão, mas em baixo é revolvida como por fogo. Jó 28.5
É um conhecimento básico das geociências que o núcleo da Terra onde habitamos é um ardente lago de fogo. Porém, até o século 19, as pessoas consideravam as Palavras de Deus (de que existia um lago de fogo no interior da Terra, como um absurdo), isso porque a estrutura interna da Terra só foi descoberta no séc. 20.

GeofÍsico Andrija Mohorovicic – descobriu o manto em 1905, por meio de ondas sísmicas.
Geofísico Beno Gutenberg – descobriu o núcleo externo da Terra em 1930.

Geofísica Inge Lehmann – descobriu o núcleo interno da Terra em 1936.

Assim, a ciência moderna prova que a Bíblia é verdadeira.

CICLO DA ÁGUA

Há 3 fases do ciclo da água: evaporação, condensação e precipitação. A energia solar evapora milhões de toneladas de água da superfície dos oceanos e rios. Quando este vapor se condensa e forma nuvens, e quando estas nuvens de vapor colidem entre si e se convertem em gotas de água, então, chove. O ciclo da água não era conhecido até aos séculos 16 e 17. Pierra Perrault e Edmundo Mariotte descobriram o ciclo da água através de experiências. Há cerca de 3.500 anos, ninguém conhecia o ciclo da água. Mesmo assim, a Bíblia (escrita na mesma época) registou este mesmo ciclo. Porque atrai para si as gotas de água que de seu vapor destilam em chuva, a qual as nuvens derramam e gotejam sobre o homem abundantemente. Jó 36.27 

Ou seja, os registos da Bíblia são verdadeiros.

O UNIVERSO

Por volta do ano 610 a.C., o escritor Jeremias, inspirado, escreveu: Assim como não se pode contar o exército dos céus, nem medir-se a areia do mar, assim multiplicarei a descendência de Davi, meu servo, e os levitas, que ministram diante de Mim. Jeremias 33.22

Assim, no 7º século a.C., a inspiração ensinava que as estrelas são inumeráveis. É impossível contá-las, assim como é impossível contar a areia das praias. Você já experimentou conferir o total de grãos da areia do mar? Ou somente o valor de apenas um punhado? Impossível, não é? Mas, no tempo de Jeremias, os astrônomos da Grécia ensinavam que não havia mais de 1.002 estrelas no Universo. Quando Galileu esboçou o seu primeiro telescópio em 1609, ele pôde contar 100.000 estrelas. Poucos anos mais tarde, ele fabricou um novo telescópio de duas e meia polegadas e eis que contou 300.000. Hoje, o grande telescópio de 200 polegadas do Monte Palomar, na Califórnia, mostra inúmeras estrelas que nem sequer se pode contar. Do 7º século a.C. até ao presente, as afirmações das Santas Escrituras têm-se provado cada vez mais exatas – as estrelas não podem ser contadas.
Os astrônomos descobriram cerca de 200.000.000 de outras galáxias semelhantes à nossa. Uma delas é cerca de cinquenta vezes maior que a nossa. Há estrelas fotografadas que estão a 9.000.000 de anos-luz de distância! Isso nos dá uma pálida ideia do tamanho infinito do nosso Universo.

A OCEANOGRAFIA

Mathew Maury (1806–1873) é considerado o pai da oceanografia, também chamada de oceanologia. Ele percebeu a expressão “veredas dos mares” em Salmos 8.8 (escrito 2.800 anos antes) e disse, “Se Deus disse que há veredas no mar, eu vou encontrá-las”. Maury então acreditou literalmente no que Deus disse e foi procurar essas veredas, e nós devemos muito à sua descoberta das correntes continentais quente e fria. O seu livro sobre oceanografia permanece um texto básico sobre o assunto e ainda é usado em universidades.
AS ONDAS DE RÁDIO

Deus fez a Jó uma pergunta muito estranha em 1.500 a.C. Ele perguntou: Ou mandarás aos raios para que saiam e te digam: Eis-nos aqui? Jó 38.35. Isso parece ser uma afirmação cientificamente ridícula – que a luz possa ser enviada, e depois se manifestar em fala. Mas você sabia que toda a radiação eletromagnética, de ondas de rádio ao raio-X, viaja à velocidade da luz? É por isso que é possível fazer uma comunicação instantânea sem fio com alguém do outro lado do mundo. O fato de que a luz podia ser enviada e depois manifestar-se em fala não foi descoberto pela ciência até 1846 (3.300 anos depois), quando “o cientista britânico James Clerk Maxwell sugeriu que a eletricidade e as ondas leves eram duas formas da mesma coisa” (Modern Century Illustrated Encyclopedia).

A ENTROPIA

Três lugares diferentes na Bíblia (Isaías 51.6; Salmos 102.25-26; e Hebreus 1.11) indicam que a Terra está a deteriorar-se. Isso é o que a Segunda Lei da Termodinâmica (a lei da entropia crescente) afirma: que em todos os processos físicos, todo o sistema ordenado ao longo do tempo tende a tornar-se mais desordenado. Tudo está a desgastar-se e a deteriorar-se à medida que a energia está se tornando cada vez mais escassa. Isso significa que o Universo irá deteriorar-se a ponto que (em tese) haverá uma “morte da energia térmica” e, portanto, não haverá mais energia disponível para uso. Isso só foi descoberto pela ciência recentemente, mas a Bíblia afirma isso de forma concisa.

A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

As Escrituras dizem, Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. Gênesis 2.1. O original em hebraico usa o particípio para indicar que uma ação completada no passado nunca mais iria acontecer. A criação foi “acabada” de uma vez por todas. Isso é exatamente o que a primeira lei da termodinâmica diz. Essa lei (chamada geralmente de lei da conservação da energia ou massa) afirma que nem a massa nem a energia podem ser criadas ou destruídas.

Foi por causa dessa lei que a teoria do “Estado-imutável” ou “Criação contínua” foi desconsiderada. Hoyle dizia que em alguns pontos do Universo chamados “irtrons”, a matéria ou a energia estava a ser criada constantemente. Mas, a primeira lei da termodinâmica afirma exatamente o contrário. Realmente não há “criação” a ocorrer hoje em dia. Tudo está “acabado”, exatamente como a Bíblia diz.

AS DIMENSÕES DE UM NAVIO

Em Gênesis 6, Deus revelou a Noé as dimensões da arca de 42 milhões de litros cúbicos que ele deveria construir. Em 1609, em Hoor, na Holanda, um navio foi construído de acordo com essas medidas (30-5-3), revolucionando a construção de navios. Por volta do ano 1900, todos os grandes navios nos oceanos tinham, aproximadamente, as mesmas proporções da arca (confirmado pelo “Registo de Navio de Lloyd” no Almanaque Mundial).

AS LEIS METEOROLÓGICAS 

A Bíblia descreveu um “ciclo” de correntes de ar dois mil anos antes de os cientistas descobrirem: O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos. Eclesiastes 1.6. Nós sabemos agora que o ar ao redor da Terra gira em gigantescos círculos, no sentido horário num hemisfério e no sentido anti-horário no outro hemisfério.

A CIÊNCIA

“Na antiguidade e no que foi chamado de Idade das Trevas, o homem não sabia o que ele sabe hoje sobre a Humanidade e o cosmos. Eles não conheciam a fechadura, mas eles possuíam a chave, que é Deus. Agora, muitos têm excelentes descrições da fechadura, mas perderam a chave. A solução ideal é a união entre a ciência e a Palavra de Deus. Nós devemos ser proprietários da fechadura e da chave. A verdade é que à medida que a ciência avança, ela descobre o que foi dito há milhares de anos na Bíblia” Richard Wurmbrand, Provas da Existência de Deus.

A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

As Escrituras dizem, Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. Gênesis 2.1. O original em hebraico usa o particípio para indicar que uma ação completada no passado nunca mais iria acontecer. A criação foi “acabada” de uma vez por todas. Isso é exatamente o que a primeira lei da termodinâmica diz. Essa lei (chamada geralmente de lei da conservação da energia ou massa) afirma que nem a massa nem a energia podem ser criadas ou destruídas.

Foi por causa dessa lei que a teoria do “Estado-imutável” ou “Criação contínua” foi desconsiderada. Hoyle dizia que em alguns pontos do Universo chamados “irtrons”, a matéria ou a energia estava a ser criada constantemente. Mas, a primeira lei da termodinâmica afirma exatamente o contrário. Realmente não há “criação” a ocorrer hoje em dia. Tudo está “acabado”, exatamente como a Bíblia diz.

 não conheciam a fechadura, mas eles possuíam a chave, que é Deus. Agora, muitos têm excelentes descrições da fechadura, mas perderam a chave. A solução ideal é a união entre a ciência e a Palavra de Deus. Nós devemos ser proprietários da fechadura e da chave. A verdade é que à medida que a ciência avança, ela descobre o que foi dito há milhares de anos na Bíblia” Richard Wurmbrand, Provas da Existência de Deus.
A ORIGEM DO SER HUMANO

E formou o SENHOR Deus o homem do PÓ DA TERRA, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente” Gênesis 2.7. Para quem não leva a sério o livro de Gênesis, em novembro de 1982, as Seleções do Reader’s Digest incluiu um artigo com o título “Como a Vida na Terra Começou”. Este artigo declarou que, de acordo com cientistas no Centro de Pesquisa da NASA em Ames, os ingredientes necessários para formar um ser humano podem ser encontrados NO BARRO. O artigo disse ainda que “o cenário descrito pela Bíblia quanto à criação da vida vem a ser NÃO MUITO DISTANTE DO ALVO”. (Seleções do Reader’s Digest, novembro de 1982, p. 116).
LIMPAR INFEÇÕES

Quando, pois, o que tem o fluxo, estiver limpo do seu fluxo, contar-se-ão sete dias para a sua purificação, e lavará as suas roupas, e banhará a sua carne em ÁGUAS CORRENTES; e será limpo. Levítico 15.13.

Deus disse para lavar a carne infetada em ÁGUA CORRENTE. A ciência não descobriu este fato até surgirem dois homens chamados Pasteur e Koch, nos finais de 1800. Todos os médicos de um hospital lavavam as mãos na mesma bacia de água, dia após dia, e disseminavam os germes com a velocidade, facilidade e mortandade com que o fogo se espalha num matagal seco. Não foi até à invenção do microscópio e o surgimento da ciência da bacteriologia que os médicos começaram a lavar as mãos sob ÁGUA CORRENTE. Levítico foi escrito em torno de 1490 a.C. A CIÊNCIA FICOU CERCA DE 3000 ANOS ATRASADA!

ENTOMOLOGIA

Vai ter com a formiga… na sega ajunta o seu mantimento… Provérbios 6.6-8. Comentando sobre o Provérbios 6 diz, um dos enigmas entomológicos do último século diz exatamente respeito a esta observação feita por Salomão. Não havia nenhuma evidência de que as formigas, realmente, faziam colheitas de grãos. Em 1871, entretanto, um naturalista britânico mostrou que Salomão, afinal de contas, tinha estado certo… Como é que Salomão soube aquilo no ano 1000 a.C.? Como é que Salomão, claramente, detalhou um FATO científico que era IMPOSSÍVEL que ele soubesse no ano 1000 a.C.?

SEROTONINA

O coração alegre é como o BOM REMÉDIO…Provérbios 17.22

Um artigo no The Birmingham News, intitulado “Rir: Receita para Saúde”, disse que as mais RECENTES evidências médicas revelam que “A algum ponto durante o riso, o seu corpo recebe UM MEDICAMENTO PRESCRITO, feito na farmácia, que está no seu cérebro”. Como é que o escritor de Provérbios soube daquilo – 3000 ANOS ANTES DA CIÊNCIA MÉDICA?

A VIDA NO SANGUE

Porque a vida da carne está no sangue…Levítico 17.11

Esta é a mais certeira declaração científica, jamais feita, a respeito do sangue! É o sangue que dá continuidade a todos os processos da vida, no corpo. É o sangue que causa o crescimento, constrói novas células, faz crescer o osso e a carne, armazena gordura, faz crescer o cabelo e as unhas. É o sangue que alimenta e sustenta todos os órgãos do corpo. Se o suprimento de sangue for cortado de um braço, este imediatamente começará a morrer e apodrecer. É o sangue que repara o corpo. Que cicatriza as feridas, que faz crescer nova carne, nova pele e novos nervos. É o sangue que combate as doenças. Quando uma vacina contra uma doença lhe é dada, aplica-se uma injeção na sua corrente sanguínea. Por milhares de anos, os médicos tratavam as pessoas com uma prática chamada de “sangria”. Pensavam que doenças poderiam ser curadas através da extração de sangue. Em 1799, menos de 200 anos atrás, George Washington foi, literalmente, sangrado até à morte. Os médicos sangraram o pobre George quatro vezes, da última vez tiraram mais de um litro do seu sangue! Eles não sabiam, mas estavam, literalmente, a retirar a vida de George quando extraíam o seu sangue. Não foi senão no início dos anos 1900 que um homem chamado Dr. Lister descobriu que o sangue provê o sistema imunológico aos corpos – A VIDA DA CARNE ESTÁ NO SANGUE!

The Birmingham Post Herald, de 26 de fevereiro de 1988, contou a história de Mike Thomas. Ele estava trabalhando num canteiro da construção civil, quando caiu de uma altura de 21 metros. Enquanto caía, um cabo de aço enrolou-se ao redor do seu braço e cortou-lhe fora a mão, poucos centímetros acima do pulso. Um colega de trabalho carregou para o hospital a mão que tinha sido separada do corpo. Por causa dos sérios ferimentos internos de Thomas, os médicos não puderam reimplantar a sua mão de imediato. Ao invés disso, ligaram a sua mão a vasos sanguíneos da parede do seu abdómen, para que pudessem “conservá-la viva”.

Dois meses depois, os médicos removeram a mão do abdómen e recolocaram-na no braço de Thomas. Exatamente, o que a Bíblia disse em 1490 a.C.! Aquela mão continuou viva pois foi alimentada com sangue, ou seja, – A VIDA DA CARNE ESTÁ NO SANGUE!

Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos instruídos… Onde está o sábio?… Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? (…) Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na Presença de Deus. 1 Coríntios 1.19,27-29

FRASES DOS CIENTISTAS

Através da ciência, grandes pesquisadores ficaram absolutamente convencidos de que Deus existe, como Leonardo da Vinci, Johannes Kepler, Louis Pasteur, Henri Fabre, Irmãos Wright, comprovam que a Bíblia é verdadeira.

“Deus, que é bom, criou o universo ordenadamente para nós”.Astrónomo Nicolau Copérnico

“O sistema mais lindo do sol, planetas e cometas, só pode proceder da sabedoria e poder de um Ser inteligente e poderoso. E na explicação do seu poder Ele é chamado de Deus.” Físico Isaac Newton

“Os descobrimentos cientistas revelam um universo que concorda com as opiniões religiosas”. Nobel de Física, Charles Townes

“O Todo-Poderoso tem demonstrado suficientemente a Sua Grandeza tanto nas Escrituras como na ciência. O problema não está na deficiência de parte de Deus, mas na nossa obscuridade.” Professor Richard A. Swenson, Universidade de Wisconsin

Fonte: blogs.universal.com

Cuidados com a privacidade

Dica para os que são #casados mas que também serve aos solteiros.

Caso queiramos evitar problemas e tentações desnecessárias, devemos ser vigilantes a respeito do tempo ocioso e com as situações de privacidade, exclusividade e intimidade seja na vida real com caronas, reuniões, atendimentos, visitas, voyeurismo ou na vida virtual nos telefonemas, chats, whatsapp e redes em geral. Sejam cuidadosos na exposição do corpo mas também na exposição da alma. 

O foro íntimo, privativo e exclusivo de comunhão e deve ser reservado, devotado e desenvolvido com seu cônjuge. Abrir suas intimidades, entrar na vida íntima de outra pessoa, gerar ambiência de privacidade pode ser uma armadilha fatal. 

Você ama seu cônjuge mas tem flertado com situações desse tipo, se expondo desnecessariamente e assumindo um risco de colocar seu casamento e família em jogo. Conselho:  Fuja disso! 

Observe também se não tem deixado seu cônjuge sozinho e isolado deixando lacunas e necessidades, isso pode deixá-lo(a) vulnerável aos ataques. “A alma farta despreza o mel…” Ore e estejam juntos, desenvolvam intimidade e confiança no desnudar da alma e do corpo, pois assim crescerão em comunhão e estarão mais protegidos para encarar os desafios do dia-a-dia. 

#ApriscoCasais

  
2 Samuel 11:1-7

O PECADO DE DAVI E A TRISTEZA PELO PECADO
Um ano depois, na época em que os reis tinham o hábito de sair à guerra, Davi enviou Joabe, seus oficiais e todo o Israel com a missão de eliminar de uma vez por todas os amonitas. Eles cercaram Rabá, mas, dessa vez, Davi permaneceu em Jerusalém.

Certo dia, Davi levantou-se do seu descanso da tarde e foi passear no terraço do palácio. De onde estava, ele viu uma mulher tomando banho, e ela era muito bonita. Davi procurou saber quem era. Alguém disse: “É Bate-Seba, filha de Eliã, mulher do hitita Urias”. Davi ordenou que a trouxessem. Quando a mulher chegou, ele se deitou com ela. Isso aconteceu na época da purificação, depois da menstruação dela. Ela voltou para casa e, algum tempo depois, descobriu que estava grávida.

Bate-Seba mandou o seguinte recado a Davi: “Estou grávida”.

Biblioteca Virtual

Compartilharemos nesse post os links de boas referências de pesquisa nos assuntos de conhecimento cristão bíblico e afins. 

Não significa que assumamos como conteúdo filtrado e plenamente equilibrado biblicamente ou ajustado a nossa visão de mundo já que cada uma das referências já vem com os juízos de valor de quem os disponibiliza porém, com o filtro do leitor, muito pode ser aproveitado.

Sempre estaremos atualizando então, volte sempre e indique aos amigos.  

Biblioteca Mackenzie – conteúdo de base presbiteriana, diversificado com muitos artigos e trabalhos aproximados a realidade brasileira. 

Biblioteca Ecclesia – conteúdo católico, diversificado e antigo da história da igreja e outras áreas afins. 

Solascriptura – conteúdo de base batista, com bastante informação.